Sociologia de Émile Durkheim

Olá, você estudante do ENEM! Olá, você estudante de Concursos!

Aqui é o Professor Raphael Reis, das disciplinas de Filosofia e Sociologia.

Neste artigo, vamos aprofundar os conceitos sociológicos do pensamento de Émile Durkheim, autor clássico da Sociologia, que sempre aparece em questões do ENEM e de alguns concursos. Também vamos analisar a possibilidade de utilizar suas reflexões na composição de uma redação, por meio de um exemplo de uma redação considerada nota 1.000 no ENEM de 2014.

Quem foi Émile Durkheim?

Émile Durkheim (1858-1917) nasceu na Alsácia, território francês. Foi um dos pensadores que mais contribuiu para a consolidação da Sociologia como ciência empírica e para sua instauração enquanto disciplina acadêmica. Tornou-se o primeiro professor universitário de Sociologia.

Suas principais obras foram: Da Divisão do Trabalho Social, As Regras do Método Sociológico, O Suicídio e As Formas Elementares da Vida Religiosa.

Principais Influências no pensamento de Durkheim

Durkheim é considerado um dos precursores da Sociologia e sofrerá influência das ideias de Saint-Simon e de Auguste Comte. Para estes, a humanidade avança no sentido de seu gradual aperfeiçoamento, governada pela força da lei do progresso. Enxergavam a sociedade industrial como uma fase avançada da sociedade, devido os avanços técnico-científicos.

Durkheim é considerado autor clássico da sociologia, assim como Karl Marx e Max Weber, já que suas ideias têm grande impacto na construção do saber. Se você observar, vários assuntos tratados no ENEM ou em concursos que solicite a disciplina de Sociologia como conteúdo, vão aparecer as reflexões destes três autores.

[Antes de prosseguirmos, aproveito o ensejo para convidá-lo (a) a conhecer o curso preparatório ESTRATÉGIA ENEM. Indique e divulgue para pessoas que possam ter interesse. Curta a página do Facebook e se inscreva no canal do Youtube do Estratégia ENEM para receber dicas e assistir aulões ao vivo]

Sociologia de Durkheim

A sociologia de Durkheim dá ênfase nas instituições sociais, seu surgimento e funcionamento. As instituições, para ele, são instituídas pela coletividade que refletirá nas crenças e comportamentos. Assim, a vida coletiva não é a soma dos indivíduos, mas um ser distinto, mais complexo e irredutível às partes que o formam. Os fenômenos sociais (aquilo que aparece socialmente) têm sua origem na coletividade e não em cada um dos seus participantes.

Buscava um método científico capaz de superar o senso comum e que fosse objetivo. Embora adotasse critérios das ciências naturais, reconhecia que os objetos sociais tinham suas particularidades e se distinguiam dos fenômenos da natureza. Os cientistas sociais investigariam as relações de causa e efeito, as regularidades a fim de estabelecer leis e regras de ação para o futuro.

O objeto da sociologia são os famosos fatos sociais, que iremos explicar minuciosamente. Estes devem ser vistos pelo cientista social como “coisas”, facilitando o afastamento de pré-noções e tratando os seus objetos de estudo de maneira objetiva.

Os fatos sociais é tudo aquilo que é exterior ao indivíduo, isto é, que não depende das consciências individuais para existir. Tem uma característica de generalidade, pois é colocado a todos na vida social e tem característica de coerção. Portanto, um fato social é constituído de exterioridade, generalidade e coercibilidade. Assim, o fato social é algo dotado de vida própria, externo aos membros da sociedade e que exerce sobre os mesmos uma autoridade que os leva agir, a pensar e a sentir sob determinadas maneiras.

São exemplos de fatos sociais a família, a escola, a religião, as Leis, o sistema financeiro, vestimentas de um povo, a forma de organização cultural e política, etc.

O caráter externo desses fatos sociais que moldam as formas de pensar, sentir e agir dos indivíduos são internalizados por meio do processo de socialização. Desde crianças somos educados a determinadas formas de se comportar e de regras a serem obedecidas, desde de seguir horários a tratar as demais pessoas. Essas regras, normas e valores de uma própria sociedade são transmitidas por meio da aprendizagem nas diversas formas de instituição (família, escola, religião, etc.), portanto, são externas ao indivíduo.

Um exemplo bem prático é você observar uma pessoa religiosa: a entonação da voz é diferente, há vestimentas específicas, a forma de pensar e de expor suas ideias seguem um padrão, os comportamentos e as falas são específicas para cada momento, etc. Ou seja, há uma internalização de determinas maneiras de ser e agir do indivíduo ao ser exposto neste tipo de instituição que o difere dos demais.

O caráter de generalidade e coercibilidade podem ser vistos na medida em que alguém desrespeita determina Lei, regra moral ou resiste a não usar, por exemplo, a moeda nacional ou a língua materna, o que desencadeará constrangimentos, já que está diante de algo que não depende da vontade individual e poderá ser excluído do grupo. Traduzindo, se alguém viola determinada lei ou regra moral será punido (coerção). Se alguém resiste em falar o idioma de seu país certamente estará excluído de exercer as condições de membro daquela sociedade.

Podemos nos perguntar: “então, se os fatos sociais são dados para todos, tem característica exterior e exerce coerção, o indivíduo fica resumido a pressão dos fatos sociais?” Para Durkheim, é possível apresentar comportamentos inovadores, e que as instituições são passíveis de mudanças, mas, para isso, é necessária a combinação de vários indivíduos em realizar ações que configurarão em um novo fato social. Assim, por exemplo, pode haver modificações no sistema educativo para se adequar a uma nova realidade.

Preocupado com a coesão social e com a integração social na sociedade industrial, Durkheim vai desenvolver o conceito de solidariedade mecânica e orgânica.

A primeira é um tipo de solidariedade pertencente as sociedades tradicionais, nas quais os indivíduos se identificam por meio da família, da religião, da tradição, dos costumes. É uma sociedade que tem coesão porque os indivíduos ainda não se diferenciaram e reconhecem os mesmos valores, os mesmos sentimentos, os mesmos objetos sagrados, porque pertencem a uma coletividade.

Já a solidariedade orgânica surge nas sociedades mais complexas e modernas, onde existe uma maior divisão do trabalho e uma maior individualidade, pois as pessoas criam autonomia em relação à consciência coletiva. Por meio da divisão do trabalho social, os indivíduos tornam-se interdependentes, garantindo, assim, a união social, mas não pelos costumes e tradições. Assim, o efeito mais importante da divisão do trabalho não é o aumento da produtividade, mas a solidariedade que gera entre os homens.

Para garantir a solidariedade orgânica, advinda da divisão do trabalho social, devido as diversas categorias profissionais existentes, é importante entender a importância dos fatos morais na integração dos homens à vida coletiva.

Para ele, moral é tudo que promove a solidariedade, tudo que força o indivíduo a contar com o seu próximo, sem se levar pelo seu egoísmo. É um sistema de normas de conduta que prescrevem como o sujeito deve conduzir-se em determinadas circunstâncias. Portanto, quando há conflitos na sociedade é devido a anomalia, isto é, ausência de instituições capazes de regularem valores, normas e regras capazes de manter a integração social.

Diferente de Marx, ao analisar os conflitos sociais do final do século XIX, devido a relação capital e trabalho, vai defender que estes surgiram por causa da anomia, isto é, ausência de instituições e normas integradoras que permitissem a integração da sociedade através da divisão social do trabalho, que estava nascendo e se desenvolvendo. Ao estabelecer a solidariedade através das regulamentações, os diversos atores envolvidos poderiam se expressar sem entrar em conflitos.

Apontava que Marx cometeu um grande equívoco ao achar que a economia era o que estruturava a organização entre os homens. Na concepção durkheimiana, o Mercado não possui efeito aglutinador das relações entre as pessoas.

Émile Durkheim vai fazer análises sobre várias instituições de relevância na sociedade contemporânea como a família, a escola e a religião. Todas elas são fatos sociais e contribuem com a coesão e a integração social, preparando o indivíduo para a vida coletiva, através de suas normas, regras e valores. A educação ganha grande destaque em seu pensamento, porque ela exerce o fator moralizador por excelência, libertando os indivíduos de visões egoístas e dos interesses materiais. É através da educação, principalmente, que há a preparação dos indivíduos para integrar o grupo e dizer o que a sociedade espera das crianças e jovens. Em resumo, é a escola a principal transmissora dos valores, normas e regras sociais, a fim de estabelecer os laços de solidariedade entre os homens.

[Antes de prosseguirmos, aproveito o ensejo para convidá-lo (a) a conhecer o curso preparatório ESTRATÉGIA ENEM. Indique e divulgue para pessoas que possam ter interesse. Curta a página do Facebook e se inscreva no canal do Youtube do Estratégia ENEM para receber dicas e assistir aulões ao vivo]

É possível utilizar as reflexões de Durkheim na redação?

Com certeza. Veja o exemplo de uma redação considerada nota 1.000 no ano de 2014, cujo tema foi “Publicidade Infantil”.

“De acordo com o sociólogo Émile Durkheim, é na infância que os indivíduos passam pelo processo de socialização, ou seja, adquirem os valores morais e éticos da sociedade em que se encontram. Se, neste período, a criança for borbadeada por uma série de propagandas ideológicas, ela pensará que a felicidade só pode ser alcançada ao lanchar em determinado restaurante, ao adquirir determiado brinquedo ou ao vestir determinadas roupas. Há, portanto, a necessidade de banir quaisquer tipos de publicidade que utilizem a ingenuidade infantil para a obtenção de uma maior mercado consumidor”.

Fonte: Manual de Redação do ENEM, 2016, p.48. Redação do aluno Douglas Mansur Guerra.

Referente à citação, confira o comentário da banca examinadora da redação:

“O participante desenvolve o tema apresentado no enunciado da prova, lançando mão de argumentação consistente, pautada por repertório sociocultural produtivo, haja vista a referência adequada à Émile Durkheim […]”

Fonte: Manual de Redação do ENEM, 2016, p.49. Redação do aluno Douglas Mansur Guerra.

Exemplo de como o ENEM cobrou o conteúdo referente a Durkheim

ENEM 2016:

A sociologia ainda não ultrapassou a era das construções e das sínteses filosóficas. Em vez de assumir a tarefa de lançar luz sobre uma parcela restrita do campo social, ela prefere buscar as brilhantes generalidades em que todas as questões são levantadas sem que nenhuma seja expressamente tratada. Não é com exames sumários e por meio de intuições rápidas que se pode chegar a descobrir as leis de uma realidade tão complexa. Sobretudo, generalizações às vezes tão amplas e tão apressadas não são suscetíveis de nenhum tipo de prova.

DURKHEIM, E. O suicídio: estudo de sociologia. São Paulo: Martins Fontes, 2000.
O texto expressa o esforço de Émile Durkheim em construir uma sociologia com base na
A vinculação coma  filosofia como saber unificado.
B reunião de percepções intuitivas para demonstração.
C formulação de hipóteses subjetivas sobre a vida social.
D adesão aos padrões de investigação típicos das ciências naturais.
E incorporação de um conhecimento alimentado pelo engajamento político.

Análise: Émile Durkheim, fundador da Sociologia como disciplina acadêmica sofreu influência do positivismo de August Comte. Para eles, a Sociologia precisa descobrir leis explicativas para o funcionamento da sociedade. Para isso, o método científico deveria ser semelhante àquele adotado pelas ciências naturais. Portanto, a alternativa correta é a D.

[A] Durkheim propõe uma ciência própria para a Sociologia, com método específicos, portanto, separada da Filosofia.

[B] Defendia métodos objetivos, semelhantes àqueles das Ciências Naturais, fundamentados em observação rigorosa.

[C] Argumentava a objetividade da Sociologia, a partir da análise dos fatos sociais.

[E] Não faz parte do pensamento sociológico de Durkheim. O conhecimento não se dá a partir do engajamento político, mas sim através do uso de método para conhecer a realidade social.

Convite especial: no próximo mês irei realizar aulões ao vivo de Filosofia e Sociologia. Estou fazendo uma enquete para saber quais temas os alunos gostariam que fossem abordados. Conheça os temas e envie sua sugestão AQUI.

Se gostou do artigo e pensa que ele poderá contribuir com sua preparação para o ENEM e para Concursos, deixe aqui o seu comentário, se inscreva em nossas redes sociais (ver abaixo) e compartilhe o material com os seus amigos 🙂

Contatos:

Lista de e-mail: goo.gl/JlOYv9

Facebook: Professor Raphael Reis

Instagram: profraphaelreis

Youtube: Don Raphael Reis

E-mail: [email protected]