Inglês para principiantes

Inglês para principiantes

Olá pessoal,

É com uma boa frequência que recebo mensagens de alunos me pedindo orientação sobre como se preparar para as provas na disciplina de Língua Inglesa, se eles são principiantes, zerados em inglês (como eles mesmos dizem). Então resolvi escrever esse artigo com esse tema para esclarecer o assunto. Por onde começar? Muitos estão sem rumo, às vezes adquirem um curso específico para o seu concurso desejado, mas ainda assim tem muita dificuldade de acompanhar as explicações. Por que isso acontece?

Bem, assim como em outras disciplinas, alguns tem mais facilidade para aprender idiomas do que outros. Assim como alguns tem uma tendência para raciocínio lógico, direito, português, informática, etc. Geralmente se aprende com mais facilidade algo que você gosta ou se identifica. É por isso que alguns alunos tem tanta dificuldade com o Inglês, por que não gostam, já outros é pelo fato de sempre terem dado prioridade a outras disciplinas, e outros é por que estão começando agora a estudar para concursos.

Então qual o caminho a seguir? Vou passar para vocês sugestões que adquiri com minha experiência e acompanhamento de progresso de alunos. A melhor forma de se sair bem na prova é você começar estudar com antecedência. Se você é iniciante, meu conselho é que de início adquira um curso mais fácil: Inglês para o ENEM. Esse curso vai te dá uma boa base de vocabulário para que então depois você adquira o curso específico para seu concurso.

ENEM 2017 - hoje tem aula gratuita de Sociologia

O Curso de Inglês para o ENEM vai ajudá-lo com certeza. Por que?? As questões são em Português, apenas os textos são em Inglês, o que facilita muito para quem está começando. Além disso, os textos são menores, o que facilita para o aluno encontrar as respostas. Outro motivo é que os textos trazem assuntos das mais diversas áreas, o que vai ajudá-lo a adquirir uma boa bagagem de vocabulário, e muitos deles trazem também figuras, fotos, cartoons, ou seja, linguagem não-verbal que treina e aguça as faculdades de interpretação do aluno. O curso é completo, em pdf e muitos vídeos. Clique aqui para acessar a aula demonstrativa gratuita em pdf e vídeos. E clique aqui para acessar o pacote para o ENEM com as demais disciplinas. Segue abaixo um texto inédito e com tradução de um possível assunto a ser cobrado na próxima prova do ENEM, bem como em outros concursos:

Balmy! Antarctica Hit Record-Breaking 63 Degrees F in 2015

By Laura Geggel, Senior Writer | March 2, 2017

Temperatures on the Antarctic continent reached a record-breaking high of 63.5 degrees Fahrenheit (17.5 degrees Celsius) in 2015, according to a new report of balmy records for the bottom of the world.

And things got even toastier back on Jan. 30, 1982, when the thermometer peaked at 67.6 degrees F (19.8 degrees C) at Signy Research Station on Antarctica’s Signy Island, according to the World Meteorological Organization (WMO), a division of the United Nations. This temperature was the highest on record for the Antarctic region, an area including all land and ice south of 60 degrees south latitude, the WMO said.

When WMO experts looked at just the continent itself (the area including the continent and its nearby islands), they found that the warmest temperature — a positively balmy 63.5 degrees F — happened on March 24, 2015, at the Argentine Esperanza Base research station, located by the northern tip of the Antarctic Peninsula.

The highest temperature for the Antarctic Plateau (an area with an elevation of 8,200 feet, or 2,500 meters) reached 19.4 degrees F (minus 7 degrees C) at the Automatic Weather Station on the Adélie Coast on Dec. 28, 1980, the report found. These high temperatures are a large departure from the continent’s lowest recorded temperature of minus 128.6 degrees F (minus 89.2 degrees C) at Vostok Station on July 21, 1983, the WMO said.

The WMO published the report online today (March 1) in a continuing effort to expand its worldwide database on extreme weather and climate conditions, the organization said. The database will help the WMO learn about naturally occurring climate change, as well as human-induced climate change along global and regional levels, WMO officials said.

Usually, Antarctica is cold, windy and dry, the WMO said. The average annual temperature ranges from about 14 degrees F (minus 10 degrees C) on the Antarctic coast to about minus 76 degrees F (minus 60 degrees C) in Antarctica’s higher-elevation interior, the WMO said.

Moreover, Antarctica’s ice sheet contains 90 percent of the world’s freshwater, and if the ice sheet were to melt, it would raise sea level by about 200 feet (60 m). That’s disconcerting, given that the Antarctic Peninsula is one of the fastest-warming regions of the planet, having warmed by almost 5.4 degrees F (3 degrees C) over the past 50 years, the WMO said.

In addition, about 87 percent of glaciers along the Antarctic Peninsula’s west coast have retreated over the past 50 years, especially in the past 12 years, the WMO added.

http://www.livescience.com/58078-record-breaking-antarctica-temperatures.html

Translation

Balmy! Antarctica Hit Record-Breaking 63 Degrees F in 2015

Quente! Antartica Atinge o Recorde de 63 Graus F in 2015

Temperatures on the Antarctic continent reached a record-breaking high of 63.5 degrees Fahrenheit (17.5 degrees Celsius) in 2015, according to a new report of balmy records for the bottom of the world.

As temperaturas no continente antárctico alcançaram um recorde de alta de 63,5 graus Fahrenheit (17,5 graus Celsius) em 2015, de acordo com um novo relatório de registros para o fim do mundo.

And things got even toastier back on Jan. 30, 1982, when the thermometer peaked at 67.6 degrees F (19.8 degrees C) at Signy Research Station on Antarctica’s Signy Island, according to the World Meteorological Organization (WMO), a division of the United Nations. This temperature was the highest on record for the Antarctic region, an area including all land and ice south of 60 degrees south latitude, the WMO said.

E a situação ficou ainda mais séria em 30 de janeiro de 1982, quando o termômetro atingiu o pico de 67,6 graus na escala Fahrenheit (19,8 graus em Celsius) na Estação de Pesquisa Signy na Antártida Signy Island, de acordo com a Organização Meteorológica Mundial (OMM), uma divisão das Nações Unidas. Esta temperatura foi a mais alta registrada na região Antártica, uma área que inclui todas as terras e gelo ao sul de 60 graus de latitude sul, disse a OMM.

When WMO experts looked at just the continent itself (the area including the continent and its nearby islands), they found that the warmest temperature — a positively balmy 63.5 degrees F — happened on March 24, 2015, at the Argentine Esperanza Base research station, located by the northern tip of the Antarctic Peninsula.

Quando os especialistas da OMM analisaram apenas o continente em si (a área incluindo o continente e suas ilhas vizinhas), descobriram que a temperatura mais quente – positivamente amena 63,5 graus F – aconteceu em 24 de março de 2015, na estação de pesquisa da Base Esperanza Argentina, localizada na ponta norte da Península Antártica.

The highest temperature for the Antarctic Plateau (an area with an elevation of 8,200 feet, or 2,500 meters) reached 19.4 degrees F (minus 7 degrees C) at the Automatic Weather Station on the Adélie Coast on Dec. 28, 1980, the report found. These high temperatures are a large departure from the continent’s lowest recorded temperature of minus 128.6 degrees F (minus 89.2 degrees C) at Vostok Station on July 21, 1983, the WMO said.

O relatório concluiu que a temperatura mais alta para o Planalto Antártico (uma área com uma elevação de 8.200 pés, ou 2.500 metros) atingiu 19,4 graus F (menos 7 graus C) na Estação Meteorológica Automática na Costa Adélie em 28 de dezembro de 1980. Estas altas temperaturas são uma grande partida da menor temperatura registrada do continente de menos 128.6 graus F (menos 89.2 graus C) na estação de Vostok em 21 de julho de 1983,  disse a OMM.

The WMO published the report online today (March 1) in a continuing effort to expand its worldwide database on extreme weather and climate conditions, the organization said. The database will help the WMO learn about naturally occurring climate change, as well as human-induced climate change along global and regional levels, WMO officials said.

A OMM publicou o relatório on-line hoje (1 de março) em um esforço contínuo para expandir sua base de dados mundial sobre condições meteorológicas e clima extremos, disse a organização. O banco de dados ajudará a OMM a conhecer as mudanças climáticas que ocorrem naturalmente, assim como as mudanças climáticas causadas pelo homem ao longo dos níveis global e regional, disseram autoridades da OMM.

Usually, Antarctica is cold, windy and dry, the WMO said. The average annual temperature ranges from about 14 degrees F (minus 10 degrees C) on the Antarctic coast to about minus 76 degrees F (minus 60 degrees C) in Antarctica’s higher-elevation interior, the WMO said.

Geralmente, a Antártica é fria, ventosa e seca, disse a OMM. A temperatura média anual varia de cerca de 14 graus F (menos 10 graus C) na costa da Antártida para cerca de menos 76 graus F (menos 60 graus C) no interior da Alta Antártica, disse a OMM.

Moreover, Antarctica’s ice sheet contains 90 percent of the world’s freshwater, and if the ice sheet were to melt, it would raise sea level by about 200 feet (60 m). That’s disconcerting, given that the Antarctic Peninsula is one of the fastest-warming regions of the planet, having warmed by almost 5.4 degrees F (3 degrees C) over the past 50 years, the WMO said. In addition, about 87 percent of glaciers along the Antarctic Peninsula’s west coast have retreated over the past 50 years, especially in the past 12 years, the WMO added.

http://www.livescience.com/58078-record-breaking-antarctica-temperatures.html

Além disso, a camada de gelo da Antártida contém 90% da água doce do mundo e, se a camada de gelo derreter, isso elevaria o nível do mar em cerca de 60 metros. Isso é desconcertante, uma vez que a Península Antártica é uma das regiões de maior aquecimento do planeta, tendo se aquecido em cerca de 5,4 graus C durante os últimos 50 anos, disse a OMM. Além disso, cerca de 87% dos glaciares ao longo da costa oeste da Península Antártica recuaram nos últimos 50 anos, especialmente nos últimos 12 anos, acrescentou a OMM.

Mas se você já tem um certo conhecimento e ainda assim tem dificuldade?? está enferrujado, ou prepara-se com antecedência sem saber ainda qual será a banca que vai elaborar sua prova? A boa pedida nesse caso é o Curso Regular de Inglês. Assim como o Curso de Inglês para o ENEM ele traz uma variedade muito grande de assuntos com textos de diversas bancas, ele não foca em apenas uma banca como os outros cursos e é totalmente acompanhado de vídeos.

Acesse o link abaixo e veja as aulas demonstrativas para ambos os cursos, bem como para os outros cursos que ministro. Depois disso, você estará pronto para escolher aquele que mais se encaixa para você. Qualquer dúvida, escreva-me deixando seu comentário aqui abaixo.

Cursos de Inglês – Ena Smith

Abraços e bons estudos.

Prof. Ena Smith

Gostou do artigo? Não esqueça de deixar seu comentário aqui abaixo. Seu feedback é muito importante para a elaboração de outros artigos como esse.